07/05/2021

8 de maio, Dia Mundial do Câncer de Ovário

Oncologista e cirurgião do AUSTA hospital alerta sobre o câncer de ovário, segundo tumor que mais atinge mulheres

Dr. Guilherme de Oliveira Cucolicchio

O câncer de ovário é o segundo tipo de câncer ginecológico mais comum entre as mulheres no Brasil, ficando atrás apenas do de câncer de colo do útero. O tumor no ovário é a sétima maior causa de morte por câncer em mulheres e, infelizmente, oito a cada dez casos são descobertos em fase avançada, o que limita a chance de cura.

Para se evitar este quadro e aumentar a chance de cura, é importante que as mulheres consultem periodicamente o médico ginecologista, ao menos, uma vez por ano.

Sintomas

Apesar de silencioso e provocar poucos sintomas no início, há sinais e sintomas que servem de alerta, como a dificuldade para se alimentar, dor pélvica e/ou abdominal, sangramento vaginal anormal, mudança no hábito intestinal, fadiga extrema e perda de peso.

“Mesmo os sinais de alerta sendo inespecíficos, ao constatá-los, é muito importante que a mulher procure seu médico”, ressalta Dr. Guilherme de Oliveira Cucolicchio, médico oncologista e cirurgião do AUSTA hospital.

Por não haver um método eficaz de rastreamento, o câncer de ovário é diagnosticado, na maioria dos casos, quando as mulheres apresentam sintomas que refletem a doença em estágio mais avançado. “Em 80% dos casos, esse tipo de câncer é diagnosticado quando não está mais restrito ao ovário, tendo se disseminado para linfonodos, outros órgãos da região pélvica e abdominal ou até mais raramente para órgãos como pulmão, ossos e sistema nervoso central”, explica Dr. Guilherme.

Diagnóstico

Se diagnosticado o câncer, o médico discute com a paciente as opções de tratamento. Esta decisão leva em conta o estágio em que a doença se encontra, a idade, o estado de saúde geral da paciente, dentre outros aspectos.

As principais opções de tratamento para o câncer de ovário são cirurgia, quimioterapia, e imunoterapia, que podem ser realizadas isoladamente ou em combinação, dependendo do estágio da doença.

O tratamento cirúrgico é o mais frequente e o procedimento pode ir desde a retirada de um ovário até a cirurgia no abdome para visualizar todos os órgãos e retirar o que já estiver comprometido pela doença, em casos mais graves. “Para as mulheres em idade fértil, com doença em estágio inicial, é possível, em alguns casos, tratar a doença preservando-se a fertilidade”, ressalta o oncologista do AUSTA hospital.

Tratamento

Quando o câncer ainda está em estágio inicial, Dr. Guilherme recomenda a remoção do ovário afetado e a trompa de falópio. “Desta forma, a mulher tem condições ainda de ter filhos, o que todos queremos”, salienta.

Existem, portanto, vários procedimentos cirúrgicos, cada qual indicado de acordo com o estágio da doença e sua extensão. Caso o câncer comece a se espalhar, é necessário remover os ovários, o útero e os gânglios linfáticos. Após este procedimento, a mulher não pode ter filhos.

Há, por fim, a cirurgia de câncer avançado, quando a doença já se espalhou pelo corpo (metástases). Além de operar o ovário, o cirurgião também irá retirar órgãos afetados ou parte deles como, por exemplo, fígado, baço, intestino etc.

Causas

Há diversos fatores que contribuem para o surgimento do câncer de ovário, como hereditariedade, influência direta dos hormônios, infertilidade e questões associadas com maior frequência aos ciclos menstruais mensais, como menarca precoce, menopausa tardia, nuliparidade (nunca ter tido filhos), entre outras, assim como obesidade e tabagismo.

Dr. Guilherme faz questão de destacar que, embora alguns fatores fujam ao controle da mulher, há várias atitudes que podem ser tomadas resultando em uma rede de proteção para reduzir ao máximo a ocorrência do câncer. Os dois oncologistas do AUSTA citam entre as atitudes o controle do peso, a alimentação equilibrada, a prática de atividade física, o uso de contraceptivos orais por pelo menos cinco anos. A gestação e a amamentação colaboram para a diminuição do risco de desenvolver a doença.

 

Compartilhe no Facebook Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Twitter
Newsletter
Newsletter

Assine nossa newsletter

Assine a nossa newsletter para promoções especiais e atualizações interessantes.