02/06/2021

Uma em cada três crianças está acima do peso

Uma em cada três crianças, com idade entre cinco e nove anos, está acima do peso, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Nesta quinta-feira, 3 de junho, Dia da Conscientização Contra a Obesidade Mórbida Infantil, o alerta sobre este cenário ganha ainda mais importância porque, segundo as entidades médicas, a tendência é ter se agravado com a pandemia. Com as medidas para evitar a proliferação do coronavírus, crianças estão mais sedentárias e ociosas.

Saiba como ter uma alimentação saudável

Crianças e jovens, inclusive, compõem cada vez mais o grupo de pessoas com obesidade mórbida, um problema de saúde pública, demonstrado por números impressionantes.

Uma em cada quatro pessoas de 18 anos ou mais de idade no Brasil estava obesa, o equivalente a 41 milhões de pessoas, em 2019, ano dos últimos dados disponibilizados pelo Ministério da Saúde.

Prevenção

A obesidade pode ser prevenida e evitada, segundo o cirurgião do aparelho digestivo Thiago Sivieri, do Austa Hospital, sobretudo, a ponto de ser evitar, quando adulto, a necessidade da cirurgia bariátrica.

“O futuro metabólico de uma pessoa pode ser definido na infância, portanto é muito importante iniciar o tratamento e acompanhamento da obesidade nesta fase inicial da vida. Tratar a obesidade como doença e não a aceitar passivamente. Uma criança obesa tem grandes chances de se tornar um adulto obeso”, alerta Dr. Thiago Sivieri.

O dia a dia da família, hábitos alimentares e de exercício físico influenciam muito nas características da criança.

Tratamentos

Há diversos tratamentos para a obesidade, que envolvem profissionais de várias especialidades da saúde, principalmente para as crianças, visto que é consenso entre os especialistas e as entidades médicas que a bariátrica não é aconselhada para menores de 16 anos, exceto em caso de síndrome genética.

“Nesta faixa etária, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica orienta que o paciente seja avaliado por dois cirurgiões bariátricos e pela equipe multidisciplinar”, explica Dr. Thiago Sivieri.

Cirurgias bariátricas aumentam entre adultos

Entre os adultos, o aumento expressivo de obesos mórbidos no Brasil resultou na grande procura pela cirurgia bariátrica. Em 2019, foram realizados 68.530 procedimentos, 7% a mais do que em 2018 (63.969 cirurgias), último levantamento da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica.

O total de cirurgias em 2019 atendeu apenas 0,5% dos 13,6 milhões de obesos com indicação para este tratamento cirúrgico, aponta a entidade.

Dr. Thiago Sivieri ressalta que o maior benefício da cirurgia bariátrica e metabólica, além da perda de peso, é a remissão das doenças associadas à obesidade, como diabetes e hipertensão (entre outras), diminuição do risco de mortalidade, aumento da longevidade e melhoria na qualidade de vida.

Segundo ele, com o desenvolvimento das novas tecnologias, da videolaparoscopia e da associação de novas drogas anestésicas, embora seja procedimento complexo, esta cirurgia oferece grande segurança aos pacientes. “Fundamental que a cirurgia seja feita por equipe multiprofissional habilitada e em hospital com estrutura adequada”, pontua Dr. Thiago Sivieri.

Critérios

Nem todos os obesos são candidatos a realizar o procedimento. Segundo o médico do Austa Hospital, a indicação cirúrgica deve ser baseada na análise de quatro critérios: o índice de massa corporal (IMC), a idade, as doenças associadas e o tempo da obesidade mórbida. A Agência Nacional de Saúde (ANS) estabelece que a obesidade deve estar estabelecida ao menos cinco anos, dos quais, dois em tratamento clínico.

“É uma análise extremamente criteriosa, na qual analisamos diversos parâmetros para decidir se o paciente fará a cirurgia bariátrica ou não”, destaca Dr. Thiago Sivieri. No Austa Hospital, esta análise envolve vários profissionais.

Por exemplo, se a pessoa tem o IMC entre 30 e 35 quilos por metros quadrado, a cirurgia é indicada somente comorbidades graves. Já entre 35 e 40 kg/m², a presença de comorbidades basta. Acima de 40 kg/m², o procedimento já é o tratamento preconizado, independentemente da presença de comorbidades.

Obesidade

A obesidade é uma doença crônica caracterizada pelo acúmulo de gordura corporal e pode acarretar graves problemas de saúde e levar até à morte.

Ela é fator de risco para uma série de doenças. O obeso tem mais propensão a desenvolver problemas como hipertensão, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, além de problemas físicos como artrose, pedra na vesícula, artrite, cansaço, refluxo esofágico, tumores de intestino e de vesícula.

A doença tem impacto psicológico também, acarretando diminuição da autoestima e depressão.

Compartilhe no Facebook Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Twitter
Newsletter
Newsletter

Assine nossa newsletter

Assine a nossa newsletter para promoções especiais e atualizações interessantes.