Austa Hospital apoia encontro com secretário estadual de saúde

Com a presença de importantes convidados do cenário da saúde, o LIDE Noroeste Paulista realiza o seu 3º Encontro de Saúde e Bem-Estar, na próxima terça-feira, 29 de junho, para debater o avanço da vacinação e o reflexo na retomada econômica. O evento, que tem o Austa Hospital como um dos parceiros, terá a participação do secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, de Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, e de Dr. Mario Louzã, psiquiatra e psicanalista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Vacinação Jean Gorinchteyn e Dimas Covas farão a abertura do evento mostrando os impactos da vacinação e o reflexo causado pelo imunizante na taxa de contágio de Covid-19 e na retomada econômica. Após a palestra, haverá debate com filiados e convidados, dentre os quais, Dr. Mário Jabur Filho, diretor presidente do Hub Rio Preto, cardiologista e intervencionista do Austa Hospital. O evento segue com a palestra do médico Mario Louzã, psiquiatra e psicanalista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, que trará em seu painel o tema "Saúde mental - a importância no ambiente de trabalho." Retomada econômica “Nossos filiados e convidados terão a oportunidade única de receber informações e questionar os principais nomes à frente da vacinação no Estado de São Paulo”, afirma Marcos Scaldelai, presidente do LIDE Noroeste Paulista. “É de extrema importância entendermos os reflexos, os planos do governo estadual e o papel dos empresários na retomada econômica.” Para Dr. Mário Jabur Filho, o Encontro oferece grande contribuição à sociedade ao destacar questões atuais e importantes da saúde pública.  “Ao ser convidado pelo LIDE, o Austa Hospital prontamente aceitou diante da relevância do tema e dos palestrantes convidados”, afirmou Dr. Jabur. Participantes O Austa Hospital irá convidar médicos, colaboradores e parceiros estratégicos para assistir o evento, estreitando o relacionamento com estes, pilar importante dentre os propósitos da instituição e da Hospital Care. Fundado no Brasil, em 2003, o LIDE – Grupo de Líderes Empresariais é formado por líderes empresariais de corporações nacionais e internacionais, que se preocupam em sensibilizar o empresariado brasileiro para a importância de seu papel na construção de uma sociedade ética, desenvolvida e consciente.  Programação 18h30 – Abertura 18h40 – Apresentação "O avanço da vacinação e o reflexo na retomada econômica" - Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde do Estado de São Paulo; e Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan 19h20 - Perguntas 19h40 – Painel "Saúde mental - a importância no ambiente de trabalho" - Dr. Mário Louzã, médico psiquiatra e psicanalista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo 20h10 – Perguntas 20h30 – Encerramento  

Endocrinologista fala sobre a Diabetes, suas complicações e tratamento

Dra. Isabela C. Godoy Santos (CRM 116.553) Diabetes mellitus (DM) é um importante e crescente problema de saúde para todos os países, independentemente do seu grau de desenvolvimento. Em 2017, a Federação Internacional de Diabetes (International Diabetes Federation, IDF) estimou que 8,8% da população mundial com 20 a 79 anos de idade (424,9 milhões de pessoas) vivia com diabetes. Se as tendências atuais persistirem, o número de pessoas com diabetes foi projetado para ser superior a 628,6 milhões em 2045. O aumento da prevalência do diabetes está associado a diversos fatores, como: rápida urbanização, transição nutricional, estilo de vida sedentário, maior frequência de excesso de peso, crescimento e envelhecimento populacional e, também, à maior sobrevida dos indivíduos com diabetes. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que a glicemia elevada é o terceiro fator, em importância, da causa de mortalidade prematura, superada apenas por pressão arterial aumentada e uso de tabaco. Mortalidade Diabetes e suas complicações constituem as principais causas de mortalidade precoce na maioria dos países; aproximadamente 4 milhões de pessoas com idade entre 20 e 79 anos morreram por diabetes em 2015, o equivalente a um óbito a cada 8 segundos. Doença cardiovascular é a principal causa de óbito entre as pessoas com diabetes, sendo responsável por aproximadamente metade dos óbitos por diabetes na maioria dos países. O diabetes é responsável por 10,7% da mortalidade mundial por todas as causas, e isso é maior do que a soma dos óbitos causados por doenças infecciosas (HIV/ AIDS e Tuberculose). Complicações e doenças associadas ao diabetes Tradicionalmente, as complicações do diabetes são categorizadas como distúrbios microvasculares e macrovasculares, que resultam em retinopatia, nefropatia, neuropatia, doença coronariana, doença cerebrovascular e doença arterial periférica. O diabetes tem sido responsabilizado, entretanto, por contribuir para agravos, direta ou indiretamente, no sistema musculoesquelético, no sistema digestório, na função cognitiva e na saúde mental. Tipos de Diabetes Critérios Diagnósticos Complicações da doença NEFROPATIA: 1/3 dos diabéticos evoluem com Insuficiência Renal, chegando a hemodiálise. NEUROPATIA: 25% dos diabéticos evoluem com lesões nos membros inferiores, o que aumenta 15 a 40 X o risco de amputação. RETINOPATIA: 60% dos diabéticos com mais de 20 anos de doença têm algum grau de retinopatia. É a principal causa de cegueira entre 20-74 anos de idade. Rastreamento O rastreamento consiste em um conjunto de procedimentos cujo objetivo é diagnosticar o diabetes mellitus tipo 2  ou a condição de pré-diabetes em indivíduos assintomáticos. Essa atividade tem grande importância para a saúde pública, pois está diretamente ligada à possibilidade de diagnóstico e tratamento precoces, minimizando os riscos de desenvolvimento de complicações principalmente microvasculares. Qualquer um dos testes aplicados no diagnóstico de DM2 pode ser usado no rastreamento (glicemia de jejum, glicemia de 2 horas pós-sobrecarga ou hemoglobina glicada). Os mais utilizados são: a glicemia de jejum e a hemoglobina glicada. Parece razoável recomendar um intervalo de 2 anos para o reteste daqueles pacientes com baixo risco de desenvolver diabetes e que tiveram resultado prévio indubitavelmente normal, assim como recomendar o reteste anual para os pacientes com pré-diabetes ou com fatores de risco para desenvolvimento de DM2. Pacientes que tiverem resultados no limite superior do normal devem ser reavaliados em 3 a 6 meses. Medidas de prevenção As medidas de prevenção do DM2 são considerada de excelência na medicina hoje, em se tratando de saúde coletiva e, principalmente, evitando as complicações da doença. Envolvem intervenções farmacológicas e não farmacológicas Medidas não farmacológicas: As medidas não farmacológicas incluem modificações da dieta alimentar e atividade física, constituindo, portanto, mudanças do estilo de vida. Intervenções farmacológicas: O uso de metformina demonstrou boa relação custo-efetividade. Ela é recomendada para pacientes muito obesos (IMC > 35 kg/m2 ) ou com passado de diabetes gestacional, associado a hiperglicemia (HbA1c > 6%) ou para aqueles nos quais a HbA1c aumenta mesmo com as mudanças do estilo de vida. Conclusão A Diabetes é, portanto, uma doença com grande impacto na saúde mundial e, por ser assintomática ( na maioria das vezes) , requer muito cuidado tanto da parte medica quanto da propria população. Deve ser diagnosticada o quanto antes e tratada o mais intensamente possível. É de extrema importância que o pacientes tenham aceitação da doença e adesão ao tratamento e à dieta propostos.

Diabetes é um dos principais fatores de risco para doenças cardiovasculares

No Brasil, há mais de 16,5 milhões de pessoas com diabetes e metade desconhece o diagnóstico, segundo a Federação Internacional de Diabetes (FID). Em 2030, serão mais de 21 milhões de doentes, projeta a entidade. E para este enorme contingente de brasileiros, é fundamental cuidar do coração. Afinal, o diabetes é um dos principais fatores de risco para doenças cardiovasculares como infartos, acidentes vasculares cerebrais (AVC) e entupimentos das artérias, especialmente das pernas e pés, além de formação de aneurismas – dilatação de um vaso sanguíneo. Fatores de risco A mulher diabética tem 40% mais chance de sofrer infarto do que a saudável. Já entre os diabéticos, o risco é 40% maior do que os homens que não possuem a doença. Quando a se instala, o diabetes potencializa outras condições de risco, como a pressão alta e o colesterol elevado. Veja também: Baixe nosso eBook sobre Diabetes e tenha mais qualidade de vida! Entre o diabetes tipo 1 e o tipo 2, este último oferece mais chances para o aparecimento de doenças cardiovasculares. Antes, importante lembrar o que caracteriza estes dois tipos que possuem duas características em comum: a deficiência na produção da insulina e o excesso de açúcar no sangue. Diferenças A principal diferença entre ambos é que o tipo 1 é uma doença autoimune, que faz com o que pâncreas pare de produzir insulina definitivamente. No tipo 2, o pâncreas ainda produz insulina, no entanto, além de ser insuficiente, ela não pode ser plenamente metabolizada pelo organismo em decorrência da resistência a ela que ocorre nos órgãos e músculos. Complicações As doenças cardiovasculares são as complicações decorrentes do diabetes que mais levam à morte, sendo que até 80% dos pacientes com diabetes tipo 2 morrem por causas relacionadas a problemas cardíacos A incidência de complicações cardiovasculares é grande no diabetes devido ao aumento dos níveis de glicose no sangue, que, juntamente ao colesterol e a pressão arterial, promovem a formação de placas de colesterol que entopem as artérias. Além disso, o aumento excessivo da glicose no sangue favorece a maior produção de coágulos que também podem obstruir as artérias. Quando uma artéria sofre uma obstrução, o coração entra em sofrimento por falta de oxigênio e o tecido sadio morre, sendo substituído por cicatriz. Dependendo do tamanho da área afetada, pode ser fatal ou deixar sequelas irreversíveis, como a insuficiência cardíaca. Fatores associados O diabetes, portanto, é fator importante para o surgimento de problemas do coração. O risco, contudo, pode ser ainda maior quando a doença se associa a outros fatores como a hipertensão, o colesterol alto, obesidade, sedentarismo, tabagismo e o histórico familiar de casos precoces de infarto agudo do miocárdio. Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), o diabético pode, contudo, adotar ações rotineiras que têm grande efeito preventivo, como ter uma alimentação saudável, praticar atividade física, não fumar, consultar-se periodicamente com o médico para fazer exames periódicos e usar as medicações prescritas. Fonte: Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) e Federação Internacional de Diabetes (FID).

Como manter o controle da Asma?

Apesar de não ter cura, a doença pode ser controlada e evitar crises agudas Falta de ar ou dificuldade para respirar, sensação de aperto no peito, chiado ou assobio agudo, respiração rápida, curta e tosse. Esses sintomas podem indicar uma crise de Asma. A doença que acomete os pulmões, acompanhada de uma inflamação crônica dos brônquios (tubos que levam o ar para dentro dos pulmões), não tem cura e ainda não tem causa determinada, mas acredita-se que esteja relacionada à um conjunto de fatores: genéticos e ambientais. A Asma varia muito de uma pessoa para outra e no mesmo indivíduo também, em alguns momentos pode ser leve ao ponto de desaparecem os sintomas e em outros pode piorar muito, sendo necessários atendimentos de emergência e até mesmo internação. Ao longo das últimas décadas muitos avanços foram conquistados pela medicina em relação à doença, mas a Asma ainda é uma doença grave, deve ser controlada, porque pode levar à morte, como explica o médico pneumologista Dr. Diego Stefani Bizinoto: “A Asma é uma doença crônica, porém tratável e controlável, as pessoas devem se conscientizar e fazer o tratamento regular, que é individualizado. A cada 3 horas morre um brasileiro decorrente da Asma, ela é responsável por 350.000 internações no ano por exacerbações, sendo a 3ª/4ª causa de hospitalização. Diante da pandemia, com o aumento do número de novos casos da COVID-19, as infecções virais são causas frequentes dessas exacerbações, por isso o tratamento da Asma é tão importante nesse momento”. A Asma não é uma doença infecciosa e ela pode ocorrer em qualquer idade. Em crianças, ela está frequentemente associada a alergia, mas na idade adulta é menos alérgica. Quando a doença está bem controlada, os asmáticos são capazes de se exercitar e até praticar esportes de primeira linha. O controle da Asma é realizado mais frequentemente com corticoides inalados em baixas doses. O que desencadeia a Asma? Alguns fatores funcionam como gatilho e quando o asmático é exposto desencadeia sintomas ou piora a inflamação dos brônquios. Os principais gatilhos da Asma são: Alergia: poeira, ácaro, mofo, pólen, fezes de barata, pelos de animais; Infecções: viroses, como gripes e resfriados, ou ainda as sinusites; Mudanças de tempo; Fumaças;  Poluição; Cheiros fortes; Esforço físico; Aspectos emocionais; Exposição ao ar frio; Outras causas: alguns tipos de medicamentos, alguns alimentos, refluxo gastresofágico, causas hormonais, fatores relacionados ao trabalho ou a escola, asma provocada por outras doenças. Tratamento de Controle da Asma Por ser uma doença que varia muito de uma pessoa para outra, o tratamento deve ser individualizado e é importante o acompanhamento médico frequente para que o mesmo tratamento possa ter sua dose modificada conforme a necessidade do asmático. O tratamento desse ser baseado nas medidas de higiene do ambiente, em medicamentos e vacinas para alergia. Os medicamentos disponíveis são divididos em: drogas de alívio (para crises) e profiláticas (manutenção). A melhor forma de utilizar os medicamentos é a inalatória, pois assim são inalados diretamente para o local da reação e podem ser usados em doses menores que as necessárias por outras vias. A “bombinha” é a maneira que as pessoas chamam todas as medicações inalatórias usadas no tratamento da Asma. Esse nome vem dos primeiros dispositivos que surgiram e que ainda existem. Na verdade, a bombinha é um dos dispositivos utilizados para armazenar os diferentes tipos de remédios (broncodilatadores e corticoides inalatórios), hoje existem também os dispositivos com medicação na forma líquida (aerossol) e em pó. Esses dispositivos que têm broncodilatadores de curta ação não viciam, como muitas pessoas acreditam, o que acontece é que o paciente ao não realizar o tratamento correto da Asma precisa fazer o uso recorrente dessas substâncias de alívio, o que pode parecer vício.“A Asma pode ser controlada em 95% dos pacientes e, com a doença controlada, o paciente mantém a qualidade de vida. É importante manter os exames médicos em dia e praticar atividades física”, afirma o pneumologista. Como prevenir a Asma? Seguir as recomendações de higiene ambiental e utilizar corretamente os medicamentos prescritos são fundamentais para prevenir as crises de asma. O ambiente deve ser o mais higiênico possível, visando restringir o contato do asmático com elementos que desencadeiam as crises. Recomenda-se não ter fumantes no ambiente domiciliar. Os animais, quando tiver, devem ser mantidos fora de casa. Colchões e travesseiros devem ser forrados com material impermeável e este forro precisa ser lavado periodicamente. Alguns desinfetantes podem ajudar a reduzir a proliferação de ácaros em casa, baratas devem ser combatidas, pois também estão relacionadas à alergia e maior gravidade da asma.

1 2 3 4 5 136
Newsletter
Newsletter

Assine nossa newsletter

Assine a nossa newsletter para promoções especiais e atualizações interessantes.


    Política de privacidade